Carta de novembro 2021

Padre Ricardo Londoño Dominguez

Embora seja verdade que através do Batismo todos os crentes experimentam o chamado para seguir o Senhor Jesus e receber a missão de ser portadores de sua Palavra e de ser sua presença no meio do mundo, através do sacramento do Matrimônio os esposos também são chamados a viver o amor à maneira de Deus e são enviados a se tornarem testemunhas da profunda unidade entre Cristo e a Igreja e entre Deus e o universo. Portanto, falar de casamento cristão é falar de uma vocação e de uma missão própria dos cônjuges unidos em Cristo.

Para os casais pertencentes às Equipes de Nossa Senhora, podemos dizer que estas realidades se multiplicam em um duplo compromisso: o sacramento do matrimônio e a vida no Movimento.

Aqueles que optaram por integrar as Equipes como parte de sua vida de casados cristãos se comprometem mais fortemente com uma vida de testemunho e apostolado. Além da formação de sua própria família e de sua dedicação ao crescimento integral de seus filhos, os casais Equipistas são chamados a participar da missão da Igreja principalmente naquelas realidades que dizem respeito ao casamento e à vida familiar. Cada casal deve procurar e encontrar o ambiente concreto no qual desenvolver sua tarefa apostólica na paróquia ou diocese. Descobrir essas áreas pastorais nas quais devem estar presentes como batizados, casados, membros da equipe.

Ao longo deste ano, que o Papa Francisco quis dedicar a Amoris Laetitia, é muito importante não perder de vista o que ele nos apresenta daquelas situações humanas em que os casais se sentem frágeis, doentes, feridos. É nestes ambientes complexos, difíceis e muitas vezes muito dolorosos, que este compromisso pode se manifestar mais visivelmente. Há jovens apaixonados que precisam conhecer a beleza e grandeza da vida sacramental, jovens casais que se preparam para o casamento, casais casados em busca de acompanhamento, casais em crise de vários tipos, separados, divorciados, casais em uma nova união não sacramental, pessoas com dificuldades em sua identidade sexual, e assim por diante. Cenas que anseiam por uma presença compassiva e misericordiosa.

Temos o valioso documento Vocação e Missão no início do terceiro milênio, emitido pela ERI em julho de 2018, que nos incentiva e nos impulsiona para uma vivência autêntica, real e coerente do que é e significa participar de uma Vocação e Missão concretas.

Da mesma forma, Clarita e Edgardo, o casal responsável pela ERI e pelo Movimento, quando traçaram o caminho a seguir durante este período de seis anos, chamaram todos os membros da equipe a um compromisso sereno e sério para sairmos para as circunstâncias de nosso mundo contemporâneo, onde devemos estar presentes com a força do Espírito e a experiência de sermos participantes da graça de Deus na vida de casados.
Nunca é demais enfatizar a necessidade de uma releitura contínua destes documentos que nos oferecem caminhos claros para o exercício da vocação e da missão para a qual somos chamados.

Ricardo Londoño Domínguez,
Conselheiro espiritual

 


Ler a Carta da ERI Novembro 2021 

Antoine & Therese Leclerc
Antoine & Therese Leclerc

Marcia & Paulo Faria